Topo

Fórmula 1


Conheça o piloto mais "brasileiro" do grid. E genro de Nelson Piquet

Reprodução/Instagram
Kelly Piquet e Daniil Kvyat Imagem: Reprodução/Instagram

Julianne Cerasoli

Do UOL, em Londres (ING)

2019-05-20T04:00:00

20/05/2019 04h00

"Você quer falar português comigo?", pergunta o russo Daniil Kvyat à reportagem do UOL Esporte, iniciando um diálogo na língua da namorada, Kelly Piquet, mas logo desistindo e voltando para o inglês. "Eu entendo bastante, consigo falar devagar. Mas eu não sou muito bom no português porque ela não gosta de falar, não sei o porquê", explica o piloto, que espera a primeira filha com a brasileira, filha de Nelson Piquet, com quem tem um relacionamento que já dura três anos.

Tempo suficiente, claro, para ter encontrado o sogro em várias ocasiões, ainda que ele não goste de tocar muito no assunto. "Não fico falando de corrida com a família dela, não sou esse tipo de cara. Gosto de chegar em casa e pensar em outras coisas, é bom ter outros assuntos e não ficar levando meus problemas para casa."

O lado bom do Brasil o piloto da Toro Rosso já conhece bem - embora garanta que não aguenta mais do que uma caipirinha e explica que viveu "muito tempo na Itália, então me acostumei a tomar vinho só, então vodca também não é comigo!". No fim do ano passado, ele teve uma experiência no mínimo curiosa para um russo, acostumado às temperaturas negativas na época do Ano Novo. "Nós fomos para Fernando de Noronha, o que foi muito legal, e depois passamos um tempo com a família dela em Brasília. Foi muito bom, gosto muito do Brasil. O estilo de vida é mais relaxado, as pessoas são bondosas. Gosto muito de ir para lá."

Conhecido pelo estilo agressivo dentro das pistas, onde inclusive ganhou de Sebastian Vettel o apelido de 'torpedo' pela maneira como se atira nas lutas por posição, Kvyat se diz espontâneo fora delas e garante que não é muito de fazer planos. E foi assim até mesmo com a notícia da gravidez de Kelly, que espera uma menina para setembro.

"Estou empolgado mas, como eu disse, eu não gosto de ficar planejando. Estamos lidando com isso passo a passo. Quando ela nascer vou ver como vou lidar com isso. Estou tentando curtir o momento. Não acho que ser pai é algo que dá para aprender de qualquer jeito que não seja na prática."

William West/AFP
Imagem: William West/AFP
Essa talvez seja uma lição que Kvyat aprendeu na própria Fórmula 1. Vindo do programa de jovens pilotos da Red Bull, ele chegou à categoria pela Toro Rosso em 2014 vindo do título da GP3 (atual F3) no ano anterior e, já em sua segunda temporada, foi promovido para o time principal da marca de energéticos.

Mas, em 2016, Kvyat sofreria um baque inesperado na carreira. Pressionada pelo pai de Max Verstappen, Jos, a promover o piloto de então 18 anos, e depois de alguns acidentes do piloto russo, a Red Bull decidiu substituí-lo pela nova estrela. Para piorar, Verstappen venceu em sua estreia na Red Bull, enquanto Kvyat tinha conquistado dois pódios em 21 corridas pelo time.

De volta à Toro Rosso, o russo caiu de rendimento e acabou sendo sacado do time durante a temporada de 2017. Após um ano como piloto de testes da Ferrari, ele foi recontratado e vive uma rara segunda chance no esporte.

Mas, desta vez, com uma nova mentalidade e a cabeça mais aberta. "É perigoso pensar dessa maneira [referindo-se a ficar dentro da família Red Bull]. Você tem que focar no próprio trabalho porque a definição do que vai acontecer não cabe a você. Quanto melhor sua performance, mais oportunidades."

Neste retorno, Kvyat está contente com seu desempenho nos sábados e estava um pouco decepcionado com os resultados nas corridas até a última etapa, na Espanha, onde foi um dos grandes destaques, conseguindo um nono lugar, à frente de carros mais rápidos que a Toro Rosso. Não por acaso, seu nome começa a circular como um possível substituto de Pierre Gasly, que não está rendendo o esperado em seu início de carreira com a Red Bull.