Topo

Futebol


Ex-boleiros, Renato e Odair falam 'língua do jogador' de maneiras opostas

Lucas Uebel/Grêmio
Imagem: Lucas Uebel/Grêmio

Jeremias Wernek e Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

2019-03-17T12:01:00

17/03/2019 12h01

Grêmio e Internacional se enfrentam hoje (17), pela primeira fase do Gauchão, e também colocam frente a frente dois treinadores que em suas diferenças se assemelham. Renato Gaúcho e Odair Hellmann chegam ao Gre-Nal 418 com trabalhos de longo prazo, times bem estabelecidos dentro de suas estratégias e com ferramentas similares no dia a dia. Ex-jogadores, os dois lançam mão da vivência no vestiário para lidar com o elenco.

Renato e Odair não chegaram a se encontrar em campo. O ídolo gremista encerrou a carreira quando o jovem treinador colorado iniciava a caminhada como volante no Beira-Rio. Ainda assim, os dois carregam as experiências de atuar no futebol com chuteira e nas quatro linhas.

Renato flerta mais com jeito despojado, irreverente. Odair guarda essa faceta para os diálogos internos e publicamente busca sobriedade e tecnicismo.

À frente do Grêmio desde setembro de 2016, Renato Portaluppi é exaltado pela capacidade de aliar estilo simples nos treinos com atitudes que blindam o elenco e injetam confiança. Além da boa leitura de jogo durante as partidas. Não à toa, a terceira passagem dele pelo clube gaúcho já rendeu - até aqui, cinco títulos e estilo de jogo que quebrou paradigma entre os gremistas.

Nas entrevistas, Renato prefere usar orações genéricas e trata de aspectos extracampo ou comportamentais. Em menor quantidade aparecem detalhamentos específicos do jogo. Uma estratégia do treinador para não se expor e também não desnudar métodos e processos.

"Meu humor está sempre bom, está sempre ótimo. Eu nasci feliz. Mas o clássico, na rivalidade, fica mais com o torcedor. A cidade fica praticamente parada, é dividida em termos de torcedores, mas é um jogo que vale três pontos como qualquer jogo. É clássico, mas encaramos como uma partida normal. Por ser uma partida normal", disse Portaluppi.

Ricardo Duarte/Inter
Imagem: Ricardo Duarte/Inter

Odair Hellmann também tem irreverência, mas se mostra mais reservado. No cargo de treinador do Inter desde o final de 2017, o antigo volante conta com apreço do elenco desde quando atuava como auxiliar. A descontração ficou em dose menor desde a promoção.

No ano passado, ele brincou ao comentar como poderia montar o Inter para controlar Luan, camisa 7 do Grêmio. Odair, depois de encerrar a coletiva, fez arma com as mãos para usar a figura de linguagem de 'só com tiro'. A imagem viralizou e gerou críticas.

Sobrevivente do acidente com o ônibus do Brasil de Pelotas, em 2009, Hellmann também é uma lição de vida ambulante. A tragédia que vitimou dois jogadores e o preparador de goleiros do Xavante fez Odair adotar uma filosofia de vida bem enfática. A intensidade se tornou companheira nas lides diárias, em casa ou no trabalho.

"Achei o treino espetacular, fazia tempo que não via nada assim. É um cara amigo, atencioso, tem que gerenciar um grupo 30 cabeças, cada um com seus problemas. E ele, deu para ver, sabe isso. É uma realidade no nosso futebol", elogiou Rafael Sobis.

Grêmio e Internacional se enfrentam às 19h (Brasília), na Arena do Grêmio, pela penúltima rodada da fase de classificação do Campeonato Gaúcho. O time de Renato Gaúcho é líder do estadual, com 23 pontos, e a equipe de Odair Hellmann vem logo atrás, com 19 pontos.

Mais Futebol