Topo

Internacional

Inter vê um ponto positivo em queda no Gre-Nal e quer "dar casca" a jovens

Ricardo Duarte/Inter
Jogadores do Inter comemoram gol e vitórias que espantem instabilidade Imagem: Ricardo Duarte/Inter

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

2019-03-19T04:00:00

19/03/2019 04h00

É sempre difícil achar pontos positivos em uma derrota. Ainda mais em clássico. Mas o Internacional encontrou um. A maturidade conquistada pelos jogadores, especialmente os mais jovens, foi motivo de comemoração no time vermelho após a queda de domingo.

Nonato foi expulso. Aos 21 anos, o meio-campista mostrou-se mais "pilhado" que deveria e acabou cometendo duas faltas dignas de cartão. Além dele, Roberto, de 20 anos, também foi afoito no início do jogo e recebeu amarelo logo de cara. E Pedro Lucas, da mesma idade, foi sacado no intervalo após, da mesma forma, levar amarelo e pouco contribuir ofensivamente com o time.

O jogo, a derrota, a maneira que as coisas aconteceram, servirão de aprendizado e darão "casca" para que os garotos possam enfrentar situações semelhantes com maior tranquilidade logo ali na frente.

"Esses jogos, o uso de todos, a confiança de todos, é um processo. O Nonato, o Pedro (Lucas), o Sarrafiore, todos vão crescer e precisam de jogos como este para evoluir, ganhar experiência. Vão dando casca para o jogador, passando por uma experiência como esta, fará a leitura, vai ver se foi mais incisivo ou não, vai servir de parâmetro para outras atuações e o crescimento deles", disse o técnico Odair Hellmann.

O time reserva que encarou o clássico de domingo foi definido em acordo da comissão técnica com a direção do clube. Além de protestar contra a decisão do TJD-RS de suspender Nico López por mais dois jogos, o Colorado pretendia exatamente dar esta rodagem aos mais jovens do grupo.

"Esses jogos servem para isso. O grupo se fortalece. Jogar um Gre-Nal na casa do adversário, contra um time que joga da mesma forma há muito tempo, faz o grupo crescer, principalmente os mais novos", disse o vice de futebol Roberto Melo. "Dificilmente conseguiríamos escalar o mesmo time quarta e domingo até o fim das decisões. Depois tem River Plate, Palestino (pela Libertadores). Precisávamos ver este grupo de jogadores atuando, e foram bem", completou.

A ideia é seguir alternando titulares e reservas independente da fase em questão. Isso porque o jogo da próxima quarta, contra o Novo Hamburgo, já fecha a primeira fase do Estadual e os compromissos a seguir serão no mata-mata. E independente disso, os suplentes seguirão entrando em campo até o fim do torneio.

O plano a longo prazo, segundo apurou o UOL Esporte, mira deixar o time "alternativo" em condições de seguir sendo utilizado até mesmo durante o Brasileiro. Se não de forma integral, entrando paulatinamente na equipe principal.