Topo

Cuca pede paciência com Pato e teme lesão: "ele já não é um menino"

Siga o UOL Esporte no

Do UOL, em São Paulo (SP)

27/04/2019 19h37

O técnico Cuca pediu paciência em relação a Alexandre Pato após a reestreia discreta do atacante com a camisa do São Paulo na vitória contra o Botafogo por 2 a 0, hoje, no Morumbi, válida pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

Cuca pretende evitar cobranças demasiadas a Pato neste momento e, inclusive, lembrou que o camisa 7 estava sem atuar desde novembro. O treinador teme que o atleta sofra alguma lesão e, por isso, deve repetir a estratégia de hoje, quando sacou o atacante no segundo tempo para a entrada de Toró.

"Ele hoje já não é um menino, é uma referência, um dos jogadores mais experientes. A gente espera dele o que ele vem fazendo, conversar com os meninos, passar a experiência dele fora de campo, dentro de campo também. A gente não pode cobrar dele nesse momento nada mais do que ele está dando, porque ficou muito tempo parado. Temos que tomar cuidado para não deixar ele demasiadamente em campo e expô-lo a uma lesão. Pouco a pouco ele vai se aprumando, melhorando fisicamente e a técnica dele vai aparecendo mais. Ele é importantíssimo para a gente", afirmou Cuca.

O técnico do São Paulo também explicou o posicionamento de Pato em sua reestreia. Cuca alega que o camisa 7 estreou como um centroavante que não atua fixo, mas que pode se movimentar pelos lados do campo.

"Ele treinou todos esses dias como nosso centroavante. Tem dois tipos de centroavante, o de referência e o que flutua. Ele é um tipo de jogador que flutua, até porque não é um jogador de bola aérea. Mas a referência você pode fazer por baixo, ele é inteligente para isso. Se hoje ele não está em condição ideal para jogar, tem que retomar e vai retomar aos poucos, ali ele iria sofrer menos do que pelo lado do campo. Vamos devagar, conversando com o jogador e a gente vê o que faz com ele", disse.

Apesar da reestreia discreta, Pato chegou a fazer um gol, de cabeça, corretamente anulado, após cruzamento de Igor Vinicius, no primeiro tempo. O camisa 7 lamentou o gol anulado e justificou a atuação apagada lembrando o longo período que ficou sem jogar.

"Passei praticamente novembro, dezembro e janeiro parado, sem treinar, só academia, é diferente do que treinar em grupo. Pena que anularam um gol, mas faz parte do jogo, é um início de uma caminhada longa. Vamos no nosso caminho", afirmou Pato.