Topo

Santos

Na ausência de camisa 9, Sasha ganha elogios e surge como solução no Santos

Marcello Zambrana/AGIF
Sasha comemora gol do Santos contra o Fluminense Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

Eder Traskini

Colaboração para o UOL, em Santos

2019-05-03T12:00:00

03/05/2019 12h00

O Santos ainda não o tão sonhado, e pedido pelo técnico Jorge Sampaoli, camisa 9 de ofício. Assim, o argentino vai buscando soluções com as peças que tem e parece ter encontrado uma boa alternativa dentro do elenco: Eduardo Sasha.

Preterido pelo próprio Sampaoli no início do ano, o atacante sequer foi inscrito de início no Campeonato Paulista e o treinador chegou a liberá-lo para procurar outro clube. No entanto, Sasha resolveu ficar e mostrar ao argentino que poderia ser útil. Conseguiu.

Titular diante do Grêmio, marcou um gol com características de autêntico camisa 9. A boa atuação fez com que fosse mantido no time e ele voltou a ser importante e balançar novamente as redes diante do Fluminense.

"Sasha teve dois grandes jogos. Vinha treinando bem, custou um pouco no começo a forma de treinar e entender o jogo de posse, mas hoje nos dá muita satisfação. Mais do que o gol, nos coloca de frente, é generoso, pressiona. Nos ajuda muito", elogiou Sampaoli após a vitória por 2 a 1 sobre o Fluminense na noite de ontem.

Além dos gols, Sasha faz exatamente o que Sampaoli quer: pressiona muito na saída de jogo e não dá sossego aos zagueiros adversários. No gol de Sánchez, o segundo sobre o Flu, ele também participou fazendo um pivô para Diego Pituca mandar uma bomba na trave e o uruguaio aparecer para completar para as redes.

Os dois gols de Eduardo Sasha colocam o atacante na extensa lista de artilheiros momentâneos do Campeonato Brasileiro. O camisa 27 se tornou a primeira opção de Sampaoli para a função, vencendo a concorrência de todos que foram testados até antes dele, como Felippe Cardoso, Yuri Alberto, Kaio Jorge e até o colombiano Copete improvisado. Derlis González e Jean Mota também já atuaram como falsos 9.

Quem também cresceu com Sampaoli após ficar um período no banco de reservas foi o jovem Rodrygo. O atacante se encontrou na ponta direita do time do argentino com gols e participação nos lances de mais perigo do Peixe nos últimos tempos. Sampaoli não cansa de lamentar a iminente saída do camisa 11, já vendido ao Real Madrid (ESP).

"Rodrygo nos dá muito, mesmo jovem. Teremos que encontrar um substituto, que nos dê essa refrescância no um contra um. Encontrar dentro ou fora um extremo assim", disse o treinador.